NOSSA PÁGINA

segunda-feira, 16 de junho de 2014

Urtiga Cnidoscolus urens (L.) Arthur; Flora do RN

 Planta conhecida popularmente como Urtiga,Urtiga-branca,Cansanção,Cansanção-de-leite,Pinha-queimadeira, Queimadeira,Urtiga-cansanção, Urtiga-de-mamão,Arrediado, mas cientificamente seu nome é Cnidoscolus urens. Ela pertence a família Euphorbiaceae com cerca de 6.100 espécies, sendo a segunda família mais representativa da Caatinga em número de espécies,superada apenas por Fabaceae (Sampaio 1995).
    Planta subarbustiva, altamente lactescente, perene, ramificada, com caules providos de pelos urticantes ou glabros, de 1-3 m de altura, nativa de regiões tropicais e subtropicais da América. Propaga-se por meio de sementes,floresce e frutifica o ano inteiro. Suas flores são pequenas, tubulares e brancas. Elas são polinizadas principalmente por beija-flores, borboletas e esfingídeos. Em um estudo(Fenologia e biologia floral da urtiga cansanção)foi demonstrado que os visitantes mais frequentes foram a borboleta Phoebis sennae, o beija-flor Chlorostilbon aureoventris e o esfingídeo Pyrgus sp., entretanto é também uma fonte alternativa de néctar para abelhas nativas.
     Apresenta tricomas urticantes bastante tóxicos,em quase todas as suas partes vegetativas e florais, os quais, quando tocados, provocam fortes dores localizadas, urticárias e até, em raros casos, desmaios (Muenscher 1958, Melo & Sales 2008). células epidérmicas formam uma estrutura em forma de taça, onde o tricoma de base bulbosa é inserido. O tricoma é quebradiço ao mais leve toque e libera cristais de oxalato de cálcio na pele, produzindo uma inflamação local instantaneamente(LUTZ,1914). 
    É a espécie nativa mais relatada em estudos etnofarmacológicos e suas raízes e cascas do caule apresentam inúmeras propriedades, como anticancerígena e antiinflamatória do útero, ovário e próstata, inflamações e dores em geral, problemas renais, disenteria, hemorragia, menstruação, apendicite e reumatismo (Agra et al, 2007b; Albuquerque, 2006; Albuquerque et al, 2007a; Albuquerque et al, 2007b). Ainda na medicina popular a seiva é empregada na cura da catarata. A raiz é tônica e diurética. Na tradição dos índios Pankararu do nordeste do Brasil a urtiga é uma planta muito importante, sendo utilizada para retirar ou afastar o mau. Sua raiz é utilizada em beberagens para gripe e suas folhas como anti-toxicante.

     Espécie nativa do Brasil que se desenvolve em todo o País, mas rara na região Sul do Brasil, ocorrendo na Mata Atlântica,Caatingas,Amazônia e Cerrado. Cnidoscolus urens tem a distribuição mais ampla do gênero, ocorrendo desde a porção oriental do México até a Argentina (Burger & Huft 1995); no Brasil, no Nordeste (AL, BA, PB, PE, PI, RN e SE), Sudeste (ES, MG e RJ) e Centro-Oeste (DF). Em Pernambuco ocorre em uma faixa contínua deste a zona do Litoral até a subzona do Agreste e a partir daí torna-se esporádica, restringindo-se às áreas com maior umidade. Cresce em áreas perturbadas, sendo comum em clareiras e bordas de mata, sobre afloramentos rochosos, em solos argilosos ou arenosos do litoral, ou ainda sobre guano em Fernando de Noronha. Instala-se também em terrenos abandonados,em pastagens,capoeiras e áreas de fruticultura.
   Durante as minhas excursões pelo estado do Rio Grande do Norte, observei essa planta em todas as regiões do território norte-rio-grandense, suponho que ela ocorra em todos os municípios desse. 
Descrição taxonômica da espécie:

“Subarbusto ou arbusto 0,3-2,2(-4) m alt., caule algumas vezes intumescido na metade superior; tricomas urticantes aciculiformes 0,8-10 mm compr. nos ramos, pecíolo, lâmina foliar, inflorescência, perianto e fruto; Ramos cilíndricos, esparso a densamente velutinos ou glabrescente a pubescente. Estípulas 0,4-3×0,5-2,5 mm, persistentes, triangulares, margem e face interna glanduloso-papilada ou inteiramente glanduloso-fimbriada, glabras ou pubescentes. Pecíolo (1,8-)2,7-25,5 cm compr., esparso a densamente velutino ou híspidohirsuto; glândulas numerosas na junção do pecíolo com a lâmina, papiliformes. Lâmina foliar (1,3-)4,5-25,5× (2,1-)5,5-32 cm, membranácea a cartácea, 3-5-palmatilobada, base cordada a cuneada ou assimétrica, ápice arredondado a acuminado, margem denteada, inteira ou, mais raramente crenada, ciliada, com apículos glandulares em cada ponto de terminação das nervuras primárias e secundárias, face superior velutina ou esparsamente hirsuta a glabrescente, face inferior velutino-vilosa a esparsamente hirsuta a glabrescentes, nervação craspedódroma-broquidódroma, nervuras primárias 5, 7 ou 9. Inflorescência 1-9,2×0,8-15 cm, com 7-75 dicásios em 1-7 níveis de ramificação, velutina ou hirsuta; pedúnculo 0,7-12 cm compr.; brácteas 0,5-5(-7) mm compr., estreitamente triangulares a estreitamente obtruladas, margens glanduloso-papiladas na porção basal, pubescentes a velutinas ou hirsutas. Botões florais estaminados oblongos, ligeiramente constricto na fauce, pistilados oblongo-ovóides. Flores estaminadas sésseis, posicionadas a partir do 2º nível de ramificação; perianto 9-21 mm compr., tubularhipocrateriforme, ligeiramente constricto no ápice do tubo, estreitando-se em direção à base, branco, externamente esverdeado, velutino ou escabroso a glabrescente; tubo 5-13×1,5-4 mm; lobos 3-8×2-4 mm, ovais a suborbiculares, elípticos a oblongos, às vezes assimétricos, ápice arredondado; estames férteis (8)10(13), em 2 verticilos; estames externos livres a unidos em coluna de até 0,5 mm compr., glabra à esparsamente velutina, ou inteiramente unidos em coluna de 0,5-2,2 mm compr., densamente vilosa; estames internos unidos até aproximadamente a metade do seu comprimento; filetes (0,5-)2-13 mm compr.; anteras 0,8-2×0,4-2 mm, oblongas, suborbiculares a elípticas; estaminódios 0-2, entre os estames do verticilo interno, filiformes ou ligeiramente espessados no ápice ou ainda com uma pequena antera estéril, até 11mm compr.; disco glandular 0,2-2×0,4-2 mm, anelar, glabro ou pubescente a velutino. Flores pistiladas 1-9, posicionadas até o 3º nível de ramificação; pedicelo 1-7 mm compr.; receptáculo/base persistente do perianto fortemente denteado; perianto 5-8,5×1,5-3,5 mm, segmentos livres, ou raramente unidos até 2,5 mm, inteiramente branco ou esverdeado, externamente velutino ou escabroso, ápice arredondado; ovário ovóide, 3- ou 6-anguloso em seção transversal, glabro a pubescente ou velutino a viloso; estiletes 1,5-5,2 mm compr., tetráfidos ou multífidos, (10)12-18 ramos estigmatíferos, geralmente glabros; disco glandular 0,5-1(-1,5)×1-2,5 mm, anelar, glabro ou pubescente. Cápsula 7-11×7-10 mm, loculicida e septicida, deiscência fortemente explosiva, globoso ou subgloboso, ápice retuso e ligeiramente apiculado, híspido-pubescente, tricomas urticantes, geralmente com base translúcida e turgescente; columela 6-9 mm compr. Semente 6-8,5×3,2-5 mm, largamente elíptica a elíptica, côncava dorsalmente, convexa ou plana ventralmente, com uma linha central depressa, superfície com máculas proeminentes marrons, marrom-acinzentadas ou enegrecidas, quando imatura amarelada; carúncula (1,5)2-3×1-2,3 mm.”

Referências
Harri Lorenzi. Plantas Daninhas do Brasil: terrestres, aquáticas, parasitas e tóxicas/ 3. ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2000.
Araújo,Lenyneves D. Alvino de & Leal,Analice de S.& Quirino,Zelma G. Maciel.
Fenologia e biologia floral da urtiga cansanção(Cnidoscolus urens L., Euphorbiaceae)
Diego Menelau de Almeida&Elba Lúcia Cavalcanti de Amorim. Estudo químico de duas espécies do gênero cnidoscolus presentes no bioma caatinga com potencial atividade antioxidante.
Balbach, A.. A flora nacional da medicina doméstica. SP. 1983.
Moreira, Henrique José da Costa. Manual de identificação de plantas infestantes: hortifrúti / Horlandezan Belirdes Nippes Bragança – São Paulo: FMC Agricultural Products, 2011.
Disponível em: www.indiosonline.org.br/novo/sementes_pankararu/ Acesso em:13/06/2014.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Nenhum comentário:

Postar um comentário