NOSSA PÁGINA

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Mitracarpus baturitensis Sucre; Flora do RN

Folhas e flores da espécie Mitracarpus baturitensis Sucre. 
   Planta ramificada com cerca de 40 cm de altura, com folhas opostas, sésseis (sem pecíolo), suas flores alvas são andróginas, ou seja, cada flor apresenta os dois sexos (as estruturas reprodutoras masculinas e femininas) e o seu fruto é simples, do tipo cápsula globoso (0,8–1 mm comprimento).
   Esse registro fotográfico foi feito durante uma trilha na Serra do Cuó, em Campo Grande no estado do Rio Grande do Norte, em 29 de junho de 2013. Nessa área a vegetação típica é a Caatinga, o espécime da foto foi registrada em afloramento rochoso no alto da Serra.

Taxonomia: Descrição científica da espécie Mitracarpus baturitensis Sucre.

"Mitracarpus baturitensis Sucre, Rodriguésia 26(38): 255. 1971.

   Erva ereta, 8–40 cm alt., ramificada; caule tetrangular a subtetrangular, verde ou verde-amarelado, glabrescente ou pubérulo. Bainha estipular 0,5–5 mm compr., fimbriada, glabra ou pilosa, lacínios 5–8, ca. 1 mm compr., não glandulosos. Folhas opostas, sésseis; lâmina 1–6,5 × 0,1–0,7 cm, estreito-elípticas a elípticas, ápice agudo, base atenuada, margem revoluta, membranácea ou cartácea, face superior escabra ou pubescente apenas nas nervuras, face inferior glabra, pubescente ao longo das nervuras; nervura principal proeminente, nervuras secundárias 2–3 pares. Glomérulos axilares e terminais, sésseis, multifloros; 2–4 brácteas foliáceas. Flores andróginas, 4-meras, sésseis a subsésseis; botões florais com ápice obtuso. Cálice subulado, 4-laciniado, lacínios desiguais dois a dois, os maiores 1,6–2 mm compr., maculados na porção central, os menores 1,3–1,5 mm compr., glabro, hialinos, paleáceos, margem ciliada; hipanto 0,6–2 mm compr., obovado, glabro. Corola hipocrateriforme, prefloração valvar, alva, externamente pubérulo-papilosa, internamente glabrescente com um anel de tricomas no terço inferior; tubo 1–2 mm compr., lobos 0,7–1,3 mm compr., ovados. Estames sub-inclusos a exsertos, inseridos junto à fauce, sésseis a subsésseis; filetes 0,2–0,3 mm compr., anteras 0,8–1 mm compr. Ovário bilocular, lóculo uniovulado; estilete 1–3 mm compr., inteiro, incluso ou exserto, glabro; estigma bífido; disco inteiro, glabro. Cápsula circuncisa, 0,8–1 mm compr., globosa, glabra a pubescente na porção opercular, glabra na porção basal; lobos do cálice persistentes. Sementes 0,5–0,8 mm compr., oblongas ou globosas, plano-convexas, exotesta fovéolo-reticulada, face dorsal com depressão cruciforme impressa, face ventral com depressão em forma de "X", prolongando-se lateralmente, coberta por estrofíolo.

Material selecionado: PARAÍBA: Cabaceiras, 22.IX.2007, fl., M.C. Pessoa et al. 209 (JPB). Caturité, 16.V.2008, fl., M.C. Pessoa & J.R. Lima 344 (JPB).Monteiro, 12.VI.2008, fl., M.C. Pessoa et al. 438 (JPB).Serra Branca, 29.VII.2007, fl., M.C. Pessoa et al. 180 (JPB). São João do Cariri, 12.VII.2008, fl. e fr., M.C. Pessoa & J.R. Lima 515 (JPB). São João do Tigre, 17.V.2008, fl., M.C. Pessoa & J. R. Lima 354 (JPB). São José dos Cordeiros, 16.VIII.2007, fl. e fr., M.C. Pessoa et al. 185 (JPB)."

Referências

Det.: J. Jardim, set.2013

Maria do Céo Rodrigues PessoaI& Maria Regina de V. BarbosaII. A família Rubiaceae Juss. no Cariri Paraibano. The family Rubiaceae Juss. in the Cariri region of Paraíba. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S217578602012000400017&script=sci_arttext Acesso em 19 de dezembro de 2014.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Nenhum comentário:

Postar um comentário