NOSSA PÁGINA

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Jarrinha Aristolochia setulosa ; Flora do RN

   Planta recentemente descoberta e descrita pelos pesquisadores Ariclenes Araújo e Marccus Alves, que recebeu o nome científico Aristolochia setulosa, sendo o "exemplar tipo" coletada por eles em área de restinga no resquício da Mata Atlântica do município de Baía Formosa, estado do Rio Grande do Norte, Brasil. Sendo assim, é considerada uma espécie nativa da região Nordeste Brasileira e por enquanto é endêmica do Rio Grande do Norte.
   Aristolochia setulosa pertence a família Aristolochiaceae que é constituída por sete gêneros (Apama, Aristolochia, Asarum, Euglypha,Holostylis, Thottea e Saruma) e cerca de 600 espécies, representadas ao longo de todo o globo terrestre, exceto no Ártico e Antártica (Hoene, 1942, Joly 1998). O gênero Aristolochia é o mais diversificado dessa família,sendo formado por aproximadamente 500 espécies, a maioria das quais são encontradas na região tropical, subtropical e do Mediterrâneo (Neinhuis et al., 2005). No Brasil esse gênero  está representado por 89 espécies, sendo a maioria encontrada nas áreas fitogeográficas da Floresta Amazônica e Mata Atlântica(Barros & Araújo,2012). As plantas que pertencem a esse gênero são conhecidas popularmente como “mil homens”, "milhomem", "milome" “papo-de-peru”, “mata-porcos”,“patinho”, “jarrinha”,"cassaú", "melombe","pratudo", "urubu-caá", "urubu-caá". (Hoene, 1942).
   O gênero Aristolochia é facilmente reconhecido quando em floração, pela forma de suas flores,pelo cheiro que exalam e as sementes das espécies desse gênero são horizontais, comumente achatadas,com endosperma e embrião pequeno (Noronha, 1949). Flores de Aristolochia spp. são altamente especializadas, funcionando como uma armadilha que atrai e aprisiona artrópodes, a fim de assegurar a polinização (Knoll, 1929). Principalmente dípteros(moscas) têm sido relatados como polinizadoras do gênero (Hall and Brown, 1993; Wolda and Sabrowsky, 1986). A atratividade das flores aos polinizadores não se baseia em um sistema de recompensa, mas sim num engodo, os visitantes são enganados pela cor e cheiro das flores que imitam seus substratos naturais de acasalamento e oviposição. As moscas entram nas flores recém abertas por um pequeno tubo e não podem sair por causa dos pelos rígidos voltados para o interior. Neste estágio apenas o estigma está fértil. Somente após o amadurecimento das anteras, as moscas carregadas de grão de pólen conseguiram abandonar a flor devido a murchamento dos pelos (Joly 1998).
   Esses registros fotográficos foram feitos durante uma trilha na Serra do Cuó em Campo Grande no estado do Rio Grande do Norte em 29 de junho de 2013. Nessa área á vegetação típica é a Caatinga, o espécime das fotos foi registrada em afloramento rochoso no alto da Serra, o que é muito interessante pois o registro inicial dessa espécie foi na Mata Atlântica potiguar.

Referências

Ariclenes Araújo and Marccus Alves. Aristolochia setulosa (Aristolochiaceae), a new species from northeastern Brazil. Disponível em: http://link.springer.com/article/10.1007%2Fs12228-012-9292-7#page-1 Acesso em 13 de novembro de 2014.

Det.: J. Jardim, set.2013.

Alvarenga, Thiago Marinho& Pire, Epifânio Porfíro & Silva, Marconi Souza. ENTOMOFAUNA EM FLORES DE Aristolochia galeata mart. (ARISTOLOCHIACEAE), NA RESERVA BIOLÓGICA UNILAVRAS BOQUEIRÃO, INGAÍ, MINAS GERAIS. PDF

PROJETO: “EXTRATIVISMO NÃO-MADEIREIRO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA AMAZÔNIA (ITTO – PD 31/99 Ver. 3 (I)”. BANCO DE DADOS “NON WOOD”. PDF

Agradecimentos: Agradeço ao Professor Jomar e aos leitores desse blog Roberto Guerra e Ed Pessoa, que ajudaram na identificação dessa espécie através das fotos.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Exite plantas parecidas com essa (difere apenas nas folhas, as daqui são mais claras e as nervuras quase não aparecem, mas as flores são idênticas), elas não são difíceis de encontrar aqui, basta ter um pouco de atenção que dá pra encontrar em muitos lugares. Achei estranho foi ela ter sido "descoberta" a pouco tempo, eu mesmo brinquei com as flores na minha infância.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Senhor Alison Jose, fico feliz pela sua participação nesse blog. Em relação a "descoberta", quero dizer que foi coletada por pesquisadores, catalogada e registrada oficialmente através da publicação de um trabalho científico.
      Infelizmente existem ainda muitas espécies de plantas que não foram coletadas, tombadas(catalogadas) em um herbário e registradas oficialmente pela ciência.

      Votos de Paz,Saúde e Sucesso para o senhor e família!!!
      Atenciosamente
      Francisco V. de Souza,Graduado em Ciências Biológicas.

      Excluir