NOSSA PÁGINA

segunda-feira, 2 de março de 2015

Suiriri Tyrannus melancholicus (Vieillot, 1819); Fauna do RN


   Ave conhecida popularmente como Suiriri ou Siriri,nome de origem onomatopéica proveniente de sua vocalização típica  “si-ri-ri”,entretanto seu nome científico é  Tyrannus melancholicus (Vieillot, 1819). Qual a origem do seu nome científico? O gênero Tyrannus vem da palavra "turannos" de origem grega que significa tirano, agressivo;enquanto que o termo específico melancholicus vem da palavra "melankholikos", que significa melancólico, sendo assim, seu nome científico significa [Ave] tirana melancólica ou [ave] agressiva melancólica. Pertence a família Tyrannidae, da qual também fazem parte por exemplo as lavadeiras e bem-te-vis.
  É uma das aves mais comuns do Brasil, indivíduos adultos alcançam cerca de 39 gramas de peso, 22 centímetros de comprimento(220 mm), sendo a asa 97 mm, cauda 84 mm, bico 18 mm e tarso 18 mm. Apresenta a plumagem da cabeça acinzentada,peito amarelo e tem como característica distinguível de seu parente semelhante Suiriri-de-garganta-branca(T. albogularis), uma coloração cinza borrada na região superior do peito.
   Alimenta-se de principalmente de insetos que captura durante voos e pousa geralmente no mesmo poleiro de onde saiu voando em busca de suas presas, onde muitas vezes termina de mata-la. Mas também consome frutos, em especial o fruto do tapiá(Alchornea glandulosa).
   Em áreas naturais empoleiram-se  na parte alta da vegetação, ficando expostos em galhos superiores de arbustos ou árvores,o que possibilita um ótimo campo de visão de suas presas e de seus predadores,  enquanto que nos centros urbanos são facilmente vistos sobre fios, cercas e outras estruturas não naturais. São vistos sozinhos ou em casais e apresentam comportamentos agressivos entre eles, mas vivem em bandos de até dezenas de indivíduos em uma mesma área. Começa a cantar ainda de madrugada e só para no finalzinho da tarde. Curiosamente vocalizam geralmente nos mesmos horários e locais durante o ano inteiro.
   "O ninho é em forma de tigela e pode ser construído a diversas alturas do solo, de dois a dez metros. A postura consiste de dois ovos brancos com diversas manchas em castanho, pesando em média 3.0g e medindo 25 mm x 16 mm. Os filhotes nascem cobertos por uma plumagem amarela clara e têm o bico amarelo(LIMA,p. 287,2006)."
   "Ocorre em todo o Brasil e desde os Estados Unidos à quase toda a América do Sul (Sick,1997). É uma espécie muito observada no estado de Santa Catarina entre setembro e começo de abril, época em que ocorre sua nidificação (dezembro/janeiro). Algumas populações migratórias possuem asas mais pontudas, o que pode ser explicado como uma adaptação para vôos longos (Sick, 1997)."
Durante as minhas excursões pelo estado do Rio Grande do Norte observei essa espécie em todas as regiões do RN, com grande frequência principalmente na área urbana, sendo considerada uma ave comum, geralmente é vista sobre a fiação capturando insetos alados. Acredito que faça parte da avifauna de todos os municípios potiguares.

Referências

Evair Legal. Aspectos da nidificação do siriri, Tyrannus melancholicus em Santa Catarina (Vieillot, 1819), (Aves: Tyrannidae). Atualidades Ornitológicas On-line Nº 140 - Novembro/Dezembro 2007. Disponível em:> http://www.avespantanal.com.br/paginas/214.htm <: 2015.="" 22="" acesso="" br="" de="" em:="" fev.="">

Freire, A. A. 1999. Lista Atualizada de Aves do Estado do Rio Grande do Norte. Natal: Instituto de Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente do Rio Grande do Norte-IDEMA. 20 p.

F. Sagot-Martin, GOP. Lista I aves RN-arquipélagos extr. NE Brasil. Táxeus | Listas de espécies. 10/01/2003

LIMA, Pedro Cerqueira. Aves do litoral norte da Bahia. – 1 ed. – Bahia: AO, 2006.

SESC - Guia das Aves do Pantanal. Disponível em:> http://www.avespantanal.com.br/paginas/214.htm <: 2015.="" 22="" acesso="" br="" de="" em="" fev.="">
SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997. 863p.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Nenhum comentário:

Postar um comentário