NOSSA PÁGINA

sexta-feira, 11 de março de 2016

Jenipapo Genipa americana L.

   Planta conhecida popularmente como Jenipapo, Jenipapeiro, Jenipá, Jenipapinho, Janipaba, Janapabeiro, Janipapo ou Janipapeiro. Entretanto seu nome científico é Genipa americana L. 
Pertence a família Rubiaceae da qual também faz parte por exemplo o café(Coffea spp.).
    Espécie nativa de porte arbóreo podendo atingir cerca de 14 m de altura e o seu tronco de 40 a 60 de diâmetro. Apresenta folhas simples, subcoriáceas, glabras, variando de 15 a 35 cm de comprimento. "Flores axilares ou terminais, em cimeiras pouco floridas, de corola campanulada e branco-amarelada." Suas flores surgem geralmente a partir de outubro até dezembro. Seu fruto é uma baga globosa grande(6-7cm), com polpa esponjosa, suculenta, adocicada e comestível. O amadurecimento dos frutos ocorre frequentemente entre os meses de novembro e dezembro. Os frutos maduros podem ser comidos in natura ou na forma de doces e também pode ser ser feito o suco que é considerado desobstruente e tônico. O fruto maduro também é indicado no combate à anemia, à icterícia, à hidropisia e à asma. Da fermentação adequada deste pode obter-se vinho e licor. Dos frutos verdes extrai-se um suco azulado que é utilizado como corante em marcação de roupas e outros objetos. Segundo a medicina popular a casca em banhos é usada para tratar de úlceras e a raiz é purgativa.
   Madeira compacta, bem flexível, de cor albo-cinérea, boa de trabalhar de grande durabilidade quando não exposto a umidade e solo, sendo usada na construção naval e civil,na carpintaria, na confecção de móveis e peças curvadas, obras de torno, coronhas de armas, batentes de portas e janelas, carrocerias, cabos de ferramentas.
    É encontrada em terrenos argilosos de várzeas em variadas formações florestais de todo o Brasil, tanto no interior de mata primária como em formações secundárias, sendo encontrada nos biomas da Amazônia, Caatinga, Cerrado, Mata Atlântica e Pantanal. Ocorre nos estados do Amazonas, Pará, Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Bahia, Alagoas, Sergipe, Mato Grosso, Goiás, Distrito Federal, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo, Rio de Janeiro e Paraná.
     Durante as minhas excursões pelo estado do Rio Grande do Norte tenho observado essa espécie em diferentes ambientes das regiões litorânea e agreste, mas sempre em em terrenos úmidos, como por exemplo próximo a riachos, açudes ou rios.

Referências

Balbach,Alfons. A flora nacional na medicina doméstica. Edições "A edificação do lar", vol.-II, 23ª ed.; São Paulo.

BRAGA ,R. Plantas do nordeste,especialmente do Ceará. Fortaleza:coleção mossoroense-volume XLII,1996. 

GOMES, R. P. Fruticultura brasileira. São Paulo. Nobel. 1994.

Organizador Rafaela Campostrini Forzza... et al. Catálogo de plantas e fungos do Brasil, volume 2.  Rio de Janeiro : Andrea Jakobsson Estúdio : Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010.

LORENZI, H.: Árvores Brasileiras – Manual de Identificação e Cultivo de Plantas e Árvores Nativas do Brasil. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, Vol. I, 2002.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Nenhum comentário:

Postar um comentário