NOSSA PÁGINA

domingo, 17 de outubro de 2010

Barbeiro(Triatoma brasiliensis Neiva,1911.); Fauna do RN

Autor da foto: Rodrigo Mexas.
   Inseto conhecido popularmente como Barbeiro e cientificamente como Triatoma brasiliensis,essa espécie foi descrita, em 1911,por Neiva que examinou espécimes porvenientes de Caicó,Rio Grande do Norte. Triatoma brasiliensis mede de 22 a 25mm de comprimento. Sua cor varia de quase preto,com manchas amareladas. Essa espécie é encontrada na região nordeste do Brasil e também em Minas Gerais. No ambiente silvestre, o Triatomínio vive nas rochas e se alimenta do sangue de roedores. O ciclo de vida de ovo a adulto leva em média 120 dias e os adultos podem viver cerca de um ano. O Triatomínio,em qualquer estágio depois da eclosão do ovo,se alimenta de sangue. Por isso, tem um rostro do tipo picador-sugador,que fica em repouso dobrado em baixo da cabeça quando não estar se alimentando. Como nas outras espécies do gênero Triatoma, a fêmea tem a extremidade do abdômen aguda,enquanto o macho a tem redonda. Já estar provado que muitas espécies de barbeiros são parasitados por um protozoário denominado inicialmente como Schizotrypanum cruzi e posteriormente de Trypanosoma cruzi, que é causador de uma doença denominada esquizatripanose, que por ser descoberta pelo Dr Carlos Chagas,ficou conhecida como Doença de Chagas. T. brasiliensis,que era considerada de importância secundária no que diz respeito à capacidade vetorial e às medidas de controle, tornou-se, atualmente,uma das prioridades dos órgãos executivos do Ministério da Saúde, por ser considerada o principal vetor da doença de Chagas nas zonas semi-
áridas do Nordeste do Brasil. O grande motivo dela ser considerada o principal vetor da região, é devido a sua capacidade de infestar o peridomicílio(galinheiro,curral,etc) e colonizar o interior das casas geralmente de barro. A transmissão do protozoário não se dá através da picada do percevejo,mas através de suas fezes.



REFERÊNCIAS:

Crédito da foto: Rodrigo Mexas. Disponível em: http://www.ioc.fiocruz.br/ce/index_arquivos/image154.jpg Acesso em: 06 de julho de 2015.

JURBERG,JOSÉ...[ et al.]. Uma Iconografia dos Triatomíneos.-Rio de Janeiro: Co-edição IRD Editions e Editora Gama Filho,2005. pgs:7-8;16.

SANTOS,EURICO. Os Insetos(Vida e Costumes) tomo 1.-Belo Horizonte. Itatiaia,1982. pg:135.

Jane Costa. Distribuição e caracterização de diferentes populações de Triatoma brasiliensis Neiva, 1911 (Hemiptera, Reduviidae, Triatominae). Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 16(Sup. 2):93-95, 2000. Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

5 comentários:

  1. Encontrei anti-ontem um desses na casa da minha amiga e fiquei curiosa para saber o que era. Ele estava perto da churrascaria do prédio dela, próximo a piscina. E quem nos avisou que era realmente um barbeiro foi o pai de uma das meninas que estavam conosco. Então por nao sabermos como reagir, apenas jogamos ele no lixo! Será que colocará o risco de alguma pessoa lá?

    ResponderExcluir
  2. Olá, fico feliz pela sua participação nesse blog!respondendo sua pergunta: como existe muitas espécies de "barbeiros",é difícil afirmar se o que que a senhora viu seja exatamente essa espécie. mas o problema é que muitas espécies de barbeiros são parasitados pelo protozoário Trypanosoma cruzi, causador da "doença de chagas", portanto existe a possibilidade dessa espécie que a senhora viu estar parasita e poder assim transmitir a doença. assim,se for realmente um barbeiro o ideal seria eliminá-lo e procurar descobrir se existe mais nas proximidades,para destruir o "foco" através da vigilância sanitária.
    Votos de Paz,Saúde e Sucesso para a senhora e família!!!Atenciosamente
    Francisco V. de Souza,Graduando em Ciências Biológicas

    ResponderExcluir
  3. Encontrei um barbeiro em minha casa na área onde dormem meus animais de estimação. Eles podem picá-los e deixá-los doentes?

    ResponderExcluir
  4. Olá senhora Mariah, fico feliz com sua participação nesse blog. Além do homem, mamíferos domésticos e silvestres têm sido naturalmente encontrados infectados pelo Trypanosoma cruzi, tais como: gato, cão, porco doméstico, rato de esgoto, rato doméstico, macaco de cheiro, sagüi, tatu, gambá, cuíca, morcego, dentre outros. Entretanto a espécie canina é a única capaz de desenvolver alterações patológicas crônicas semelhantes àquelas detectadas em humanos, podendo apresentar insuficiência cardíaca congestiva (BARR et al., 1995; GÜRTLER et al., 2007). Os cães clinicamente afetados podem desenvolver tanto doença aguda como crônica (BARR et al.,1995). A principal forma de transmissão na espécie canina parece ocorrer através da ingestão dos vetores infectados, enquanto que humanos adquirem a infecção após serem picados pelo inseto e o mesmo depositar suas fezes, contendo os protozoários, próximo ao local da picada(BARR, 2006). Se o inseto que a senhora encontrou for realmente um barbeiro o ideal seria eliminá-lo e procurar descobrir se existe mais nas proximidades,para destruir o "foco" através da vigilância sanitária.
    Votos de Paz, Saúde e Sucesso para a senhora e família! Atenciosamente
    Francisco V. de Souza, Graduando em Ciências Biológicas.

    ResponderExcluir
  5. Olá, fui picada por um bicho tem semelhança com o barbeiro mais n sei se é tenho a foto dele aki .. me ajude por favor

    ResponderExcluir